CASA D’ARTE

Anjo candelário
Laprade, Claude Joseph Courrat de (1687-1740?)
Talha dourada
França ou Portugal
Séc. XVIII


Dim.: 135 x 70 x 30 cm
Anjo candelário em madeira de castanho, dourada a ouro fino, segurando no seu braço
direito um “corno de abundância” onde deverá ser colocada uma vela. A sua mão
esquerda segura um escudo. A possibilidade de ter sido feita em Portugal deve-se ao
facto de o escultor ter vivido vários anos no nosso país.
Laprade ou Laprada (Claude Joseph Courrat de) - Escultor francês do século XVIII (1687-1740?), que esteve em
Portugal em meados da centúria. [...] É tido como o mais notável escultor estrangeiro que trabalhou em Coimbra
depois da Renascença. Fez, na capela da Quinta da Vista Alegre, na região de Aveiro, o magnificente túmulo de
D. Manuel de Moura Manuel, Bispo de Miranda e reitor da Universidade de Coimbra, falecido em 1699, obra que
reflecte o seiscentismo italiano na animação das figuras e na complicação artificiosa dos panejamentos. Na
Universidade de Coimbra, na Via Latina, deve-se-lhe um vistoso frontão armoriado e sustentado por dois atlantes,
com um grande retábulo alegórico em honra de D. Pedro II [...]. Fez também um remate ornado com livros para
uma sobreporta de acesso à Torre da Universidade [...]. Executou para as Salas Gerais e dos Capelos da Universidade
belas estátuas de tamanho natural, de calcário resistente de Portunhos [...] que se encontram hoje no Museu
Machado de Castro. No dizer de A. de Magalhães Basto, são dele ou dum homónimo as grandes e formosas
estátuas [...] do retábulo da capela-mor da Sé do Porto [...]. O artista, nascido nas cercanias de Avinhão, pôde
admirar, desde muito novo, na Cidade dos Papas, as magníficas obras escultóricas dos irmãos Péru, bem como,
na vizinha Carpentras, os trabalhos notáveis devidos ao escopro de Bernus. Mais tarde, em Toulon, teve o privilégio
de embeber os olhos nas obras do italianizante Puget, nomeadamente as da Câmara Municipal (1675), e nas
prodigiosas decorações navais (1667). Puget exerceu então sobre Laprade influência decisiva. [...] Além das obras
da sua autoria já sobejamente conhecidas [...] Aires de Carvalho atribui-lhe quinhão considerável na ornamentação
da Biblioteca de Coimbra, por vezes de gosto afrancesado, longe da austeridade de Ludovici, seu arquitecto, e
encabeça sem hesitação no grande escultor provençal a vasta e monumental moldura de talha doirada do retrato
de D. João V por Duprà - moldura essa de rara imponência arquitectónica, trabalhada à maneira dos seus retábulos.
Bibliografia: Cirilo Volkmar Machado:“Colecção de memórias”; Virgílio Correia: “Artista italianos em Portugal” in
Biblos, vol. VIII; Virgílio Correia e Nogueira Gonçalves: “Inventário artístico de Portugal”; “Guia de Portugal”; Diogo
de Macedo “A escultura portuguesa nos séculos XVII e XVIII; A. de Magalhães Basto: “Falam velhos manuscritos”
in “O primeiro de Janeiro” 17-5-1950; Aires de Carvalho: Desvenda-se o caso do misterioso artista Claude de
Laprade” in “Diário de Lisboa” 7-4-1957 e “D. João V e a arte do seu tempo”, 1962; Robert Smith, da Universidade
de Pensilvânia (EUA): artigo sobre Laprade in “Gazette des Beaux-Arts”, Paris, 1954.

A Casa D'Arte está presente na IX Bienal de Antiguidades da APA - Associação de Antiquários de Portugal, na Cordoaria Nacional em Lisboa de 8 a 17 de Abril




Facebook

Visite também o nosso perfil no Facebook

http://www.facebook.com/reqs.php#/pages/Casa-DArte/102871898778?ref=mf

Peças em destaque


Par de Terrinas em forma de Patas, em faiança (do Rato ?), têm gatos. Século XVIII



Menino Jesus de Malines
Imagem em madeira com policromia original, século XVI, (50cm)

VIII Bienal Antiguidades APA


A Casa D'Arte esteve presente na VIII Bienal de Antiguidades da APA.

Decorreu no edifício da Cordoaria Nacional em Lisboa de 17 a 26 de Abril sob o Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República.


Peça em destaque:


Study for La Fete
Paula Rego (1935)
Pastel sobre papel montado em alumínio
2003
Dim.: 41 x 31 cm
Proveniência: Marlborough Fine Art, Londres




Peças em Destaque

Pata em pedra dura e prata marcada Luís Ferreira
Plateau em pau santo e bronze, Art Deco

Par de jarras em vidro azul com base em prata
Candeeiro de mesa, em vidro de bordos grossos, com desenhos geométricos, com suportes em ferro trabalhado, Art Déco, final anos 20, inícios anos 30, assinado Daum Nancy France.






A
Daum Frères, Fábrica de vidros francesa, uma das mais importantes da Europa, foi fundada em Nancy, França, em 1875 por Jean Daum (1825-1885) e continuada pelos seus filhos.
Ao longo da década de 1880, a fabrica produziu sobretudo serviços de mesa. Contudo em 1891, após a morte do fundador, os irmãos Daum impressionados com o sucesso de Émile Gallé, dedicaram-se inteiramente à produção de peças de vidro estilo Art Nouveau, fundando no mesmo ano o Atelier d'Art na Verrerie de Nancy, com as suas próprias oficinas de ensino. Durante este período, Jean-Antonin Daum foi responsável pelo design artístico. Em 1900, Henri Bergé, que trabalhava na fábrica desde 1897, tomou conta da oficina de design, e no mesmo ano a firma venceu o Grand Prix na Exposição Mundial de Paris.
De 1902 em diante, a fábrica produziu vidro decorado com motivos florais e abstractos, segundo as técnicas e o estilo de Gallé.
De 1905 a 1930, Edgar Brandt e Louis Majorelle, também trabalharam para a Daum, desenhando suportes de ferro para as peças de vidro.
Na década de 1920, a Daum deixou de trabalhar no estilo Arte Nova, começando a produzir peças de vidro de bordos grossos com padrões geométricos ao gosto Art Déco.

Arte Nova - Gabriele Fahr-Becker, Könemann
Artes Decorativas do Século XX, Art Déco - Carla Cerutti, Presença




Conjunto de Chá e Café em prata Art Déco

Composto por bule, cafeteira, leiteira e açucareiro, peso 2 kg de prata. Punção francesa
Tête de Minerve (princípios do século XX).






Par de cadeirões Art Déco

Par de cadeiras, 1930, Art Déco, atribuídas aos Grandes Ateliers de França de Jacques-Emile Ruhlmann. Realizadas em mogno com embutidos de marfim nas pernas, tecido de época.

Feira de Antiguidades e Obras de Arte - Lisboa 09


A Casa D'Arte esteve presente na Feira de Antiguidades e Obras de Arte - Lisboa 09 (antiga FIL - Junqueira).
As peças que apresentou, mobiliário e objectos Art Deco, anos 50 e 60, constituem a colecção da nova loja Casa D'Arte no Porto.

7 a 15 de Fevereiro de 2009

"FEIRA DE ANTIGUIDADES E OBRAS DE ARTE"

Horário da Feira:
Fim de Semana - 16H às 24H
De 2ª a 6ª feira - 18H às 24H
Domingo ( 15 de Fevereiro) - 16H às 22H

Algumas fotografias do stand







Casa D'Arte - Lisboa









Casa D'Arte

Largo de S.Martinho, 8-11 (à Sé)
1100-537 Lisboa
Portugal



Móveis dos séculos XVIII e XIX, Porcelanas Companhia das Índias, Pintura dos séculos XVII, XVIII e XIX, Leques, Tapetes, Gravuras e Objectos de Colecção